terça-feira, março 15, 2005

chuva da memória

(pintura de antónio sem "entre duas memórias")


chove em mim...
e sou a árvore
nua de folhas do inverno

a cor dos teus lábios empalidou-se
depois do último beijo
aonde a saudade desvaneceu
e se evaporou em brumas de restos

fundio-se o brilho em teus olhos
que o medo trouxe
com o fantasma do passado
em que amarra os sentidos

chove em mim...
na paisagem de café frio
em manhãs cinzentas na distância

alexander ibis
Enviar um comentário