sexta-feira, setembro 24, 2004

raiz

(pintura de josé malhoa "outono")

chamo-te mãe
chamo-te minha
e quando te cheiro
depois da chuvada
sei que te pertenço
e sinto-me naufragado

mudas teu rosto
nas cores que me visto
chamas o amor
quando tudo acordas
és essência,
fonte de todas as existências

quereria sêr árvore
e sentir-me raiz em ti
só assim,
saberia do meu lugar
e deixaria de me perder
nas ilusões da vida

sim, sêr árvore
para me rodeares
na época da colheita
de meus frutos
e saber que tenho um sentido
e que tudo é útil

ruiluis
Enviar um comentário